image


'Monkeypox'

Brasil tem 21 casos confirmados de varíola dos macacos, diz MS

Outros 23 casos estão sendo investigados
image Crédito: Reprodução/Gettyimages
Fonte: Portal Norte de Notícias - Há 1 semanas

Nesta quarta-feira, 29, o Ministério da Saúde confirmou que o Brasil possui 21 casos confirmados da varíola dos macacos.

- Envie esta notícia no seu WhatsApp

- Envie esta notícia no seu Telegram

Segundo a pasta, outros 23 casos estão sendo investigados.

Os casos confirmados estão em:

- São Paulo: 14 casos;

- Rio de Janeiro: 5 casos;

- Rio Grande do Sul: 2 casos.

___________________________________

RELACIONADAS

+ Rio de Janeiro e São Paulo confirmam transmissão local de varíola dos macacos

União Européia assina acordo para compra de 110 mil doses da vacina contra varíola dos macacos

Anvisa pede que leitos de pacientes com varíola dos macacos tenham distância de 1 metro

___________________________________

Já os 23 casos investigados estão nos seguintes estados:

- Ceará: 4

- Paraná: 3

- Rio de Janeiro: 3

- Rio Grande do Sul: 2

- Santa Catarina: 2

- Acre: 2

- Minas Gerais: 2

- Goiás: 1

- Espírito Santo: 1

- Rio Grande do Norte: 1

- Distrito Federal: 1

- Mato Grosso do Sul: 1

Monkeypox

A doença é causada por um vírus da família dos poxvírus, a mesma da varíola humana, erradicada em 1980.

Ela tem esse nome por ter sido detectada inicialmente em colônias de macacos, embora possa ser encontrado principalmente em roedores.

Entre pessoas, a transmissão ocorre por contato direto, como beijo ou abraço, ou por feridas infecciosas, crostas ou fluidos corporais, além de secreções respiratórias.

A infecção costuma resultar em um curto período de febre, seguido da formação de lesões e nódulos na pele ou erupção cutânea generalizada.

Após a contaminação, os primeiros sintomas aparecem entre seis e 16 dias.

As lesões progridem para o estágio de crosta, secando e caindo após um período que varia entre duas e quatro semanas.

O maior risco de agravamento envolve pessoas imunossuprimidas com HIV/AIDS, transplantados, pessoas com doenças autoimunes, gestantes, lactantes, crianças com menos de oito anos de idade e pacientes com leucemia, linfoma ou metástase.

Não existe um tratamento específico. Como prevenção, a pessoa doente deve ficar isolada até que todas as feridas tenham cicatrizado.

Também é recomendado evitar contato com qualquer material que tenha sido usado pelo infectado.

Outra medida indicada pelas autoridades sanitárias é a higienização das mãos, lavando-as com água e sabão ou utilizando álcool gel.

________________________________________

ACESSE TAMBÉM MAIS LIDAS

 

image
 
image
 
image
 
image
 
image

 

Tags