image


Tragédia

Há 9 anos, incêndio na Boate Kiss em Santa Maria deixava 242 jovens mortos

Mais de 600 pessoas ficaram feridas no incêndio
image Crédito: Reprodução - Internet
Fonte: Portal Norte de Notícias - Há 2 semanas

Após exatos 9 anos depois do incêndio que matou 242 jovens e deixou mais de 600 feridos na Boate Kiss, em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, quatro pessoas foram condenadas em júri popular a penas de 18 a 22 anos, a serem cumpridas em regime fechado, inicialmente. A família relata que 9 anos depois, enfim a justiça está sendo feita.

Envie esta notícia no seu Whatsapp

Envie esta notícia no seu Telegram

O incêndio na Boate teve início na madrugada de domingo, no dia 27 de janeiro de 2013. O evento havia sido organizado por estudantes dos cursos de agronomia, medicina veterinária, zootecnia, técnico em agronegócio, técnico em alimentos e pedagogia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

O fogo começou no teto da boate, após um dos integrantes da banda acender um artefato pirotécnico. A espuma, utilizada para abafar o som do ambiente, era inapropriada para uso interno.

De acordo com sobreviventes, uma fumaça preta tomou conta do local em questão de segundos, e impediu as pessoas de encontrar rota de fuga. A maior parte dos corpos foi achada em um dos banheiros da boate, confundido com a saída do local.

________________________________________

RELACIONADAS

+ Boate Kiss: testemunha da tragédia diz que fogos davam ‘glamour’ aos shows

Boate Kiss: quatro réus são condenados pelo incêndio e mortes em Santa Maria-RS

Condenados por tragédia na boate Kiss se entregam e são presos

_________________________________________

Os sócios da Boate Kiss, Elissandro Calegaro Spohr e Mauro Londero Hoffmann, foram condenados a penas de 22 anos e 6 meses, e 19 anos e seis meses, respectivamente; o vocalista da banda Gurizada Fandangueira, Marcelo de Jesus dos Santos, que acendeu o artefato pirotécnico que causou o incêndio, foi condenado a 18 anos; e o produtor do grupo musical, Luciano Augusto Bonilha Leão, que comprou os fogos, a 18 anos também.

“Houve vitória da sociedade, nós não ganhamos nada, a sociedade conquistou sim o início da punição desse tipo de crime. [A condenação deles] prova que esse tipo de crime começa a ser punido no Brasil. Mas a gente entende que só à base de muita luta, muito esforço, que a justiça acontece”, ressaltou Flávio, pai de Andrielle Righi da Silva, que morreu no incêndio quando tinha 22 anos.

_________________________________________

 

Mais acessadas do dia

 

 

image image image image image

 

 

 

 

Tags