image


Teatro

Em Manaus, espetáculo ‘O Pequeno Príncipe Preto’ inicia temporada de apresentações em março

A obra traz os palhaços Caco e Sininho que, ao se depararem com a dúvida de suas origens, embarcam em uma viagem por mundos para desbravar suas ancestralidades
image Crédito: Divulgação- Espetáculo ‘O Pequeno Príncipe Preto’ em Manaus
Fonte: Portal Norte de Notícias - Há 3 semanas

O espetáculo ‘O Pequeno Príncipe Preto – Para crianças de pessoas grandes‘ estreia na capital amazonense em março deste ano, no Centro Cultural Barravento, Zona Sul de Manaus.

Envie esta notícia no seu Whatsapp

Envie esta notícia no seu Telegram

A obra traz os palhaços Caco e Sininho que, ao se depararem com a dúvida de suas origens, embarcam em uma viagem por mundos para desbravar suas ancestralidades e criar novos mundos.

Em uma das viagens, encontram o planeta do pequeno príncipe, que lhes conta sobre toda a sua jornada pelos mundos que passou.

A montagem teve como ponto de partida o clássico ‘O Pequeno Príncipe’, de Antoine de Saint-Exupéry.

___________________________________

RELACIONADAS

Festival de cinema ‘Olhar do Norte’ promete agitar o fim de semana do Teatro Amazonas

Série infantil 'A casa do Theo' mostra a história e cultura do Amazonas

Em Manaus, espaços culturais vão funcionar em horários diferenciados a partir de segunda-feira

_____________________________________

O espetáculo tem direção e dramaturgia de Jean Palladino e Francine Marie. Juntos, os artistas levaram para o palco suas inquietações sobre o protagonismo negro em obras que passaram por suas formações.

A peça têm referências a personalidades do movimento negro e da cultura pop.

“Nomes das artes cênicas, como Benjamin de Oliveira e Maria Elisa, a palhaça Xamego, ambos artistas pretos e precursores da palhaçaria e circo-teatro no Brasil serão mencionados”, adiantam os realizadores.

Outros questionamentos, como a falta de representatividade negra em figuras heróicas, a importância da cultura afro-brasileira e o empoderamento da beleza de crianças e adolescentes negros dão ritmo à obra.

O diretor ressalta, ainda, que o espetáculo parte de uma inquietação e vontade de abordar o tema de uma forma mais “nichada”.

“O três primeiros trabalhos da companhia não refletiam tanto essa inquietação. Então, a gente vem trazendo isso de acordo com o que a gente vem se transformando enquanto pessoa e indivíduo dentro do grupo. A gente acaba colocando como proposta para os próximos trabalhos sempre verticalizando mais essas pensamentos e questões”, completa.

Para o ator, a ideia é continuar se debruçando em temáticas do segmento. “Não só as questões identitárias, mas também como elas afetam no todo. Em outros trabalhos vamos refletir sobre essas questões do imaginário, identitário e sobre o aspecto feminino. Então, é um outro recorte que a gente vai afunilando e trazendo”, finaliza Jean Palladino.

______________________________________

ACESSE TAMBÉM MAIS LIDAS   

 

image
 
 
image image
 
 
image image

Tags